Sign In
Destaques; WHAT'S!UP; WHAT'S!UP ME; WHAT'S!UP IT; WHAT'S!UP Cabin Crew; WHAT'S!UP Flight Crew
Fotogaleria

​​​​​​​
 Eram 19h30, hora de Lisboa, de uma quarta-feira ainda com sol quando quatro leões nascidos no Jardim Zoológico de Lisboa deixaram a sua casa para uma nova vida. Dois dias depois, era meio-dia quando se deitaram no seu novo habitat a apanhar sol, já no Brasil.

A TAP acompanhou todo o processo, muito para além do voo, e mostrou neste vídeo como tudo decorreu.

Aqui, e porque há detalhes que correm o risco de se perder, ficam algumas fotografias e curiosidades sobre os leões e a sua travessia, desde Lisboa até Pomerode.

Curiosidades sobre a viagem

• Os leões não foram de nenhuma forma sedados ou tranquilizados para a viagem. De acordo com o Rui Bernardino, médico veterinário do Jardim Zoológico de Lisboa, o facto de viajarem juntos, ou seja, não isolados, dá aos animais uma maior segurança.

• Durante o voo TP87 entre Lisboa e São Paulo, eram bem audíveis na cabina os rugidos dos leões. Os passageiros não tinham conhecimento do transporte, por isso não compreenderam o que se passava, mas os tripulantes associaram imediatamente o som aos passageiros especiais que viajavam no porão.

• O transporte dos animais entre São Paulo e Pomerode demorou cerca de 10 horas, apesar de a distância percorrida ter sido de apenas 600 quilómetros.

• Por volta do meio-dia, os quatro leões foram oficialmente apresentados ao público do Zoo de Pomerode. Um deles, no entanto, não quis sair logo e só se juntou aos irmãos quando estes o chamaram.

• O transporte entre Lisboa e São Paulo foi feito no A340 da TAP com o nome de Fernão Mendes Pinto.

Curiosidades sobre o Leão de Angola

• Estes foram os primeiros leões da sua subespécie a chegar ao continente americano. Antes disso, para além do seu habitat natural africano, só existiam em jardins zoológicos na Europa, mais precisamente, 74 leões distribuídos por 18 instituições.

• Esta subespécie (Panthera leo bleyenberghi) distingue-se, por exemplo, pela sua juba, mais clara que a das restantes subespécies.

• O Leão de Angola é uma espécie vulnerável, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

​​